umapausa

umapausa

terça-feira, outubro 05, 2010

sigo palavras e busco estrelas*

entre pulos, cortes e pedaços das misturas de meu tempo. Eu estou, justo, no encontro de todas as ramificações, hoje dia cinco de Outubro sou o passado, presente, eu sou futuro. Eu sou seus risos e abraços, suas promessas malditas, você foi e foi de novo. Eu sou a revolta do porquê que foi assim. E por que mesmo que foi? Categorias nostálgicas se organizam em minhas veias, quentes, fervendo, quero a saudade morta, mas na verdade, quem morreu foi você. E eu não fui ao seu enterro.
Ah, se me dessem. Eu cavaria sua cova, abraçaria-o do mesmo jeito. E você, mesmo póstumo, seria ainda aquela estrela que fiz brilhar.
E isso é : você sumiu e me deixou aqui, seguindo estrelas, outras estrelas. Vãs. Sua insubstitualidade ainda me comove. Eu fraca, latejo veneno, rogo-lhe pragas e espero que você sofra. E que seja muito, muito feliz. Você, ah você, sumiu.
O tempo não curou-me a ferida, convenhamos meu bem, o tempo não é nada. Estou na bifurcação do tempo! O tempo é um fingido. E pesa em cima de mim. Não, eu não tenho o poder que você insistia em afirmar.
Ouvir sua música favorita, lembrar. Buscar explicações e cair no vazio da irrealidade. É um absurdo, eu já amadureci meus ramos e não choramingo por pouca bobagem. Mas é que, entenda, foi hoje. Cinco de out... e acabou. A vida segue, meu bem. E eu não fui aos seus enterros.

4 comentários:

Jéssica Neves disse...

5 de outubro! :x

Fábio Coelho disse...

vc nao foi ao enterro dele?
quem é esse? fikei curioso
é um cara da sua imaginação?

Luna Jeannie disse...

ex melhor amigo. Existe isso? haha. Existe..

Luna Jeannie disse...

* a morte não foi literal, haha.