umapausa

umapausa

terça-feira, junho 12, 2012

sete tudo com você

reduzi-lo a um mero namorado é me inibir. é rotular, com tortuosidade, esses amores que é pra se sentir. e viver.
você sabe, nunca fui de mimimi e namoradinhos. ainda zombo dos que exaltam namoros e esquecem dos namorados. de quem é louco para ter alguém só pra tampar-lhe a solidão e aparentar o felizes para sempre. namorado objeto. coisa.
é que separaram o amor de namorado.
e aí existem os namoros fajutos, já cansativos de tanta igualdade e mesmice. começos e fins. e até meios. aí existe a idiota inconformação  daqueles que estão juntos há mais de três anos num subestimado namoro, o chato:' nossa, como você consegue tanto tempo. nossa!'.
e aí existe a redução de amor pra namoradinho e sua pobre função de ser apenas um enfeite nas fotos, nas festas e sorrisos. 
você é muito mais do que isso. é um amor pra eu me perder. pra eu me achar. pra eu nem ser. que está comigo, nas loucuras e serenidades. nas conversas proibidas, nos segredos sufocados. você que está em mim mais do que sou. mais do que posso ser e é isso, sim deve ser isso o amor - essa dificuldade enorme de definição.
eu não falo de status, falo de alma. e de corpo. do entrelaçamento que não se deve fazer. da mania de querer fazer alguém feliz, que não se deve ter. de eu errar em pensar e sentir tudo por você.
de perder quem sou com muito prazer e loucura, teimando com o que dizem os psicólogos da modernidade. não obrigada, não quero ser só um eu, nem ser só minha. quero ser nossa ou até sua. quero mesmo pensar no fim do mundo sem você. pensar que nada é tão confortável como estar em seus braços e nada é mais seguro que seu abraço, rimando na pieguice e breguice dos apaixonados. quero dizer não com rebeldia para meu egoísmo, que por vezes está até certo, mas por você, vale o errado. quero um nosso cativo. uma prisão voluntária na mais intensa liberdade . quero você, meu proibido. minha confiança e minha agonia. que me apazigua, que me deixa assim, delirante quando eu deveria estar equilibrada.
não quero saber de você se for pra ser só um namoradinho. quero o proibido sujo e o deleite santo com você. quero as melhores risadas e todos os orgasmos possíveis. as brigas de amor, os carinhos de ódio. e se for pra crescer que venham as curvas. que venham as crises. que venham as conversas sem escrúpulos, a embriaguez e a idiotice.
quero a rotina. você sendo meu, todos os dias de como vai e boa noite . quero o ousado. o impossível. o comum. o clichê. o te amo e também te amo diário. a sensatez. o errado. a entrega. quero tudo. tudo, tudo com você. de verdade e com a verdade, selando a mesquinhez de se namorar com muito amor. quero tudo com você.

Nenhum comentário: